segunda-feira, 9 de maio de 2016

Tentamos fazer o amor emergir da nossa completa e estúpida solidão.
Tentamos extrair amor de pedras colecionadas que carregamos no bolso fundo da calça.
Esquecemos que nós, colecionadores de pedras, amamos mais o caminho que a chegada.
Na chegada finda-se o acúmulo de pedras que insistimos em colecionar.


(Mariana L. de Almeida)



Nenhum comentário:

Postar um comentário