segunda-feira, 6 de junho de 2016

Sobre uma cilada: Março 2016.


Algumas pessoas invadem nossa vida sem percebermos tamanho desastre. Foi assim ao te conhecer, tantos amigos queridos em comum e você surgiu no meio deles, sempre gentil, gentil demais para dizer a verdade. Entrou no meio de conversas já iniciadas com a sua doce presença. A cada nova postagem lá estava você gentilmente com seu "like" e seu "emotion" bobo, eu confundindo o teu nível com os demais amigos e te recebi com todo carinho. Carinho esse que evoluiu para cantadas e declarações ousadas, contou lá suas histórias e eu banquei a otária ouvindo cada drama e acreditando em tal engano. Acreditei em cada palavra, brigaria com o mundo todo para provar que você não era falso nem mal intencionado, um homem sóbrio de valores nobres. Só não sabia que essa sobriedade se equilibrara sobre uma linha tênue de desequilíbrio e antidepressivos, uma crise de meia idade e um ego transtornado e eu a vítima perfeita. É claro que carrego minha culpa, acreditei e briguei por isso tudo e pior, depois tudo isso desapareceu, nunca existiu e parecia ser só minha imaginação me atestando demência permanente em frente ao espelho. Foram dias ruins, pesados e doloridos, mas não enlouqueci, guardei o que devia ser guardado para provar a mim mesma tudo o que foi real e que a estupidez não foi minha. Depois que voltei da minha dor me senti aliviada, talvez por isso escreva aqui, sempre senti enorme necessidade de gritar a verdade e exigir justiça. Você não era obrigado a me amar, claro, mas me tratar com dignidade sim porque eu sempre o tratei com respeito, principalmente nas questões mais delicadas como tua saúde, filhos, família, teus sentimentos e tudo que a mim você confiava. Me envolvi com tudo isso além do sentimento por você, pena que sua indelicadeza e insensibilidade jamais o deixariam perceber. A ideia de que sua vida seguia normalmente como se nada tivesse acontecido me deixou doente e não me refiro aos dois finais de semana que passamos juntos ou por ter te apresentado minha filha e meu endereço e sim aos meses que nos confessávamos quase que diariamente, todas as conversas, desejos, planos, enfim... Me bloqueou como se eu fosse uma qualquer, como uma golpista que o tivesse usado de alguma forma, como se eu me vendesse por um jantar de merda e noites de insônia num hotel da cidade. Seu narcisismo, seu ego transtornado, seu medo de amar e ser livre me atingiram em cheio, baby.
Eu finalmente entendi que você é mais infeliz que eu. Senti pena do meu sofrimento inútil porque eu não deveria sofrer jamais por ser deixada por alguém como você, deveria me sentir agradecida por poder seguir minha vida em plena paz, mas minha dor foi por eu ter me revelado tanto para você, te confiei quem eu sou, você viu meus olhos tristes e não os verá nunca mais porque você não é digno deles nem de tudo que eles já viram nessa vida. Não tive má fé em nenhum momento, se fui ingênua ou boba é porque sou boa demais para o mundo de homens como você.
Depois de toda escuridão, volta a luz e eu voltei melhor do que era antes.
Adeus.

(Mariana de Almeida).




 

Nenhum comentário:

Postar um comentário