terça-feira, 27 de setembro de 2016

Sobre ser a esposa perfeita.

     Num tempo não tão distante assim, menos de meio século atrás, ser uma boa esposa significava ser conivente com o comportamento extremamente machista e muitas vezes até desumano de seus maridos dando-lhes sempre razão independente se ele estivesse certo ou errado. Não se discutia, não se compartilhava, não se questionava e não se dialogava determinados assuntos. A palavra final era sempre do homem, a do pai e chefe da família.
      Ainda vivemos em uma sociedade patriarcal e machista onde mesmo as mulheres estudando, trabalhando e gerando renda, elas são as maiores responsáveis pela organização, manutenção e cuidados da casa, são as maiores responsáveis pelo cuidado dos filhos e do próprio marido. Por isso, ainda hoje ouvimos muitas mulheres se queixarem do feminismo, justificando que a luta por direitos iguais foi uma grande balela, pois com o tempo elas só acumularam funções, estão muito mais sobrecarregadas, estressadas e que a igualdade é somente uma utopia. Mas será verdade?
     Infelizmente a luta é contínua, ela não cessa e olhando para trás, de como nossas mães e avós viviam sob o poder do pai e depois do marido, vemos que conquistamos espaços e direitos sim, temos muito mais poder de escolha que nossas avós por exemplo, podemos escolher casar ou não, ser mãe ou não, manter um casamento desrespeitoso ou não, amar e desamar, amar de novo, podemos tentar formas alternativas de sobrevivência, podemos morar sozinha ou com um irmão, uma amiga, com os pais, com os filhos, com o namorado(a), podemos trabalhar, estudar, viajar, fazer terapia, enfim, podemos criar nossas próprias regras.
     No tempo das nossas avós era comum, além de tudo, a maioria das mulheres terem uma vida sexual pouco prazerosa, pois a mulher não devia nunca procurar pelo marido na cama, não era de bom tom, acreditam? E mais, o sexo era meio robotizado, sem carícias mais ousadas, sem preliminares, sem beijo na boca e creiam, muitas de nossas avós nem tiravam a camisola para "servir" ao marido. Triste, não? Ainda bem que as coisas evoluíram nesse quesito. Casamento sem sexo bom e sem muito carinho não faz sentido algum.
     É claro que isso é apenas o inicio de uma grande transformação social, infelizmente são muitas mulheres ainda presas em relacionamentos nocivos, neuróticos e violentos; são milhares de mulheres exploradas, violentadas, ameaçadas e dependentes da relação com seus parceiros por mil motivos diferentes desde religiosos, emocionais, financeiros, morais etc. O que não podemos deixar é que a luta se estagne, precisamos nos informar cada vez mais e informar para todas as mulheres da nossa convivência sobre seus direitos, sobre os centros de apoio às mulheres, sobre a Lei Maria da Penha, sobre serviços jurídicos gratuitos como a Defensoria Publica entre outros. Cada mulher que se fortalece e recupera sua dignidade e auto estima não se permite mais ser explorada.
     Sobre ser uma esposa perfeita, selecionei algumas realidades da década de 1950 e a realidade de hoje, vejam se concordam comigo:
     *“Se desconfiar da infidelidade do marido, a esposa deve redobrar seu carinho e provas de afeto, sem questioná-lo.” Revista Cláudia, 1962.
       "Se me trair, além de pedir o divórcio, é bem provável que eu pague na mesma moeda antes de você sair de casa" 2016.


     *“A mulher deve estar ciente que dificilmente um homem pode perdoar uma mulher por não ter resistido às experiências pré-nupciais, mostrando que era perfeita e única, exatamente como ele a idealizara.” Revista Cláudia, 1962.
     " O quê? Casar virgem? Mas se o melhor do namoro é o sexo selvagem, todos os dia e toda hora! Você acha que eu vou querer com um homem banana desses que idealiza casar com a santinha do pau oco, tô fora!" 2016.


      *“Sempre que o homem sair com os amigos e voltar tarde da noite, espere-o linda, cheirosa e dócil.” Jornal das Moças, 1958.
     " Sempre que você sair para a noitada com os amigos, saiba que eu estarei numa noitada muito melhor com minhas amigas e é bem provável que eu chegue bêbada, descabelada e cheirando a cigarros e cerveja!" 2016.


     *“Se o seu marido fuma, não arrume briga pelo simples fato de cair cinzas no tapete. Tenha cinzeiros espalhados por toda a casa.” Jornal das Moças, 1957.
     "Pode fumar a vontade lá na sacada e esvaziar os cinzeiros quando entrar e se queimar o tapete, terá que comprar outro três vezes mais caro!" 2016.


     Espero que tenham se divertido, agora tenho que ir, pois já mandei mensagem para o meu marido duas vezes e ele nem visualizou! Onde será que ele está? Por que não me responde? Será que está com outra? Preciso descobrir tudo, desculpa gente mas eu o amo demais e morro se ele me deixar... FUI!


(Mariana Lima de Almeida).



















Nenhum comentário:

Postar um comentário