segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Escolhas?

Tem coisas que não são escolhas, infelizmente.
Não escolhemos quem amar, por exemplo. O carinho e a admiração podem ser enormes, mas se não houver paixão, bau bau...já era. De amantes à colegas de quarto há uma distância enorme e frustrante. Com amor tudo se tolera, sem amor qualquer deslize é suficiente para odiar o outro. Quando você está apaixonada, até aquele ronco motoserra é tolerável, você observa o outro dormir com ternura e aquele barulho destruidor e belo embala teus mais lindos sonhos...zzzZZZZzzz... Se não está mais apaixonada, aí a coisa muda, você passa mal, sente ódio e súbitos desejos de que a pessoa morra engasgada com o próprio ronco.
Mesma coisa com bebida, quando amamos e o outro está bêbado é muito divertido, você morre de rir de tudo que ele faz, das músicas que canta, das ideias revolucionárias, das declarações em público e no final da night acompanha-o até o banheiro para ele vomitar e o ajuda levando água, eno, engov, chá, café e o que mais for preciso. Mas e quando você quer sumir diante das idiotices que ele faz por estar bêbado? Fala alto demais, ri alto, chora alto, ama todo mundo, canta errado, não entende o assunto em pauta, é o verdadeiro bobo da corte e seu maior desejo é que ele tropece na escada e caia de cara no chão.
Outra coisa é se apaixonar por um pão duro! Puta que pariu! O cara te convida para tomar uma cerveja e pede uma lata e dois copos! Hã?? Como assim boy? Papo vai e papo vem você pede outra cerveja, ele já te olha assustado e você se anima e pede a terceira! Ele te olha muito assustado e diz: "Você bebe hein baby!" Aí finalmente decidem pedir um lanche e o cara tem a moral de pedir um lanche para dividir para os dois, justificando-se que não come muito porque sofre de refluxo....hehehehe...isso é real, acreditem!
Me respondam, cadê a paixão depois disso? Ah quem goste e até se apaixone, afinal tem coisas que não são escolhas.
Não amamos o politicamente correto, se assim fosse, seria o mundo perfeito para os reaças de plantão. O politicamente correto diz que não podemos amar alguém do mesmo sexo, de diferentes etnias, de diferentes idades e de diferentes ideologias, ah esse último é difícil mesmo...rs..treta na certa e o amor acaba rapidinho, não há tesão que resista ao ver seu amado (a) bradar: Bolsonaro 2018! Alckmin 2018! etc. Li uma vez que amamos a desordem que o outro nos provoca e acho que é bem por aí, como não se apaixonar por uma pessoa que te surpreende pela própria personalidade, pelo humor sarcástico e sacana? Beleza para mim? É aquela que vem de um sorriso sincero, um olhar verdadeiro e um abraço que acolhe.
Enfim, esse papo é sempre complicadíssimo e com a idade as coisas só pioram. Chega o final de semana e tudo que você deseja nesse inverno é ficar quentinha em casa, tomando um bom vinho tinto, fazer brigadeiro de colher e assistir mil filmes na TV. Trocar isso pelo o quê? Baladas agitadíssimas? Filas quilométricas para entrar? Restaurantes lotados? Há quem prefira e que assim seja. Eu fico com a primeira opção, no verão prometo me animar mais e quem sabe me apaixonar novamente,  nao tem coisa melhor na vida. Enquanto isso me torno cada dia mais íntima da Netflix, cada dia mais especialista em vinhos e uma fazedora de brigadeiro de mão cheia. A felicidade está nas pequenas coisas que temos ao nosso alcance, desisti de esperar pelo que eu não tenho para me declarar uma pessoa feliz.

Beijos!
(Mariana L. de Almeida).

Imagem: Cena do filme Amélie Poulain.


Nenhum comentário:

Postar um comentário