segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Vida e arte.


Eu não sabia

Que na arte, assim como na vida

Também existia inveja e picuinhas

Triste essa inútil rivalidade

Pois na arte, assim como na vida

Todos são únicos e insubstituíveis

Cada qual com seus dilemas

Cada qual com seus deleites

Minhas palavras traduzem as estradas

Repletas de asfalto falhos e esburacados

Respeito profundamente a tua estrada

Que também foi feita do mesmo asfalto

Há espaço para todos, na vida e na arte

E incrivelmente estes se multiplicam

Se seguirmos de mãos dadas.

(Mariana de Almeida).





Nenhum comentário:

Postar um comentário