sexta-feira, 31 de março de 2017

Dói.



Dói o último trago
Dói o último silêncio
Dói o último adeus...
Que anuncia seu fim;
Dói enterrar os vivos
Adubar a terra com o que se foi;
Dói a chuva que molha
Para germinar o que virá;
Como dói o último pôr do sol
Antes da escuridão da noite
Para de novo, o novo emergir.



( Poema: Mariana de Almeida).

Nenhum comentário:

Postar um comentário