quarta-feira, 17 de maio de 2017

Gosto.

Eu gosto do perigo, eu me arrisco

Um palpite, um poema ou uma taça de vinho

Que pode ser a minha fortuna

Ou a minha ruína;

Ah, eu invisto mesmo para perder

O que se guarda se morre sem nascer

Eu aposto sob a luz da lua

E faço vingar sob a pele

O único sentido dessa vida.


(Mariana de Almeida).




Nenhum comentário:

Postar um comentário