quarta-feira, 9 de agosto de 2017

Cinza.


Das cores vivas que inventei
Apagaram!
Das cores vivas que pintei...
Apagaram!
Das cores vivas que vesti
Apagaram!
Das cores vivas que insisti
Apagaram!
Mandaram apagar e calar!

Nova ordem foi dada
Ao novo tempo
Que se impôs sobre a cidade
Cores vivas à la Frida Kalho
As cores do nosso sangue latino
Por tantos séculos castigado
Foram todas assassinadas.

Mancharam de cinza
Para sempre a memória
Dos novos tempos que chegaram
O cinza dos muros é o cinza
Que a gente não queria
O cinza do mau tempo
O cinza da tristeza
Nunca uma cor traduziu tanto
A dor do nosso tempo.

(Mariana de Almeida)

Imagem: Pintora Mexicana Frida Kahlo.




Nenhum comentário:

Postar um comentário